Na véspera do aniversário de Nadyia Savchenko, a Revista Veja publicou a matéria "O circo de horrores" sobre seu julgamento na Rússia
11 maio 2015 17:29

Levada ilegalmente para a Rússia, uma prisioneira de guerra desafia Putin

Trancafiada numa jaula em Moscou, a mulher-esqueleto gargalha. Ainda com o rosto escavado por uma greve de fome que durou 83 dias, encerrada em março, a tenente ucraniana Nadia Savchenko, de 33 anos, riu da previsibilidade da decisão da corte russa de estender sua prisão preventiva até 30 de junho. Nadia é acusada de ter contribuído para a morte de dois jornalistas russos que cobriam o conflito separatista no leste ucraniano, em junho do ano passado. As provas apresentadas pelos promotores são mesmo de dar risada. Uma delas é o depoimento de um prisioneiro ucraniano que disse ter visto a tenente falando ao celular um pouco antes de um morteiro atingir os jornalistas. Posteriormente, porém, o soldado negou a informação e disse que foi interrogado ferido e sob ameaça de tortura. A outra “prova” consiste no testemunho de rebeldes separatistas anônimos. Nadia já era uma celebridade antes de a Rússia iniciar uma guerra por procuração em seu país, em 2013. Foi a única mulher do Exército ucraniano a lutar sob o comando da Otan no Iraque, o que lhe deu argumentos para receber treinamento para piloto militar, uma função antes exclusiva de homens. Em 2014, pediu licença da Força Aérea e alistou-se como voluntária para lutar em um batalhão da Guarda Nacional contra os separatistas. Um vídeo na internet que a mostra algemada a um cano de ferro e respondendo com insolência ao interrogatório de seus captores transformou-a em heroína na Ucrânia, a ponto de ela ter sido eleita parlamentar sem sair da prisão. Seu julgamento é um número político no show de horrores em que o governo de Vladimir Putin converteu o sistema judiciário russo.

 

Diogo Schelp

 

Outdated Browser
Для комфортної роботи в Мережі потрібен сучасний браузер. Тут можна знайти останні версії.
Outdated Browser
Цей сайт призначений для комп'ютерів, але
ви можете вільно користуватися ним.
67.15%
людей використовує
цей браузер
Google Chrome
Доступно для
  • Windows
  • Mac OS
  • Linux
9.6%
людей використовує
цей браузер
Mozilla Firefox
Доступно для
  • Windows
  • Mac OS
  • Linux
4.5%
людей використовує
цей браузер
Microsoft Edge
Доступно для
  • Windows
  • Mac OS
3.15%
людей використовує
цей браузер
Доступно для
  • Windows
  • Mac OS
  • Linux